É necessário a instalação do Flash Player para conseguir visualizar correctamente esta página.
Clique aqui para mais informação.

Notícias

Burro da Graciosa pode ser aproveitado para a actividade do turismo açoriano

Quinta-Feira, dia 09 de Julho de 2015

O que justifica o reconhecimento do burro da Graciosa como raça?

Foi na ilha Graciosa que o Burro se preservou. Conhecida como a ilha dos burros, por ter suprido as ilhas circundantes destes animais, é hoje o centro das atenções dos que se interessam por estes. Através de uma selecção feita pela própria população da ilha ao longo do tempo devido às suas necessidades agrícolas, conservaram um grupo de asininos com características fenotípicas muito peculiares e próprias.

O burro carregava ao lombo alfaias agrícolas, comida para o gado, produtos da agricultura, lenha, água e leite, para além de transportar homens, mulheres e crianças. Nas lavouras, puxava o sachador e tinha o arado próprio para cobertura das sementeiras. Era, e ainda o é, um artigo de exportação para outras ilhas, principalmente Faial, São Jorge e Pico, sendo muito apreciado para o transporte, por ser um animal que caminha regularmente, sem movimentos bruscos.

A presença destes animais na paisagem rural, surge como um complemento à ilha Graciosa, fazendo parte do atractivo turístico da mesma maneira que outras características etnográficas e culturais

Qual o actual momento do efectivo e qual a sua distribuição geográfica? Trata-se de uma raça em perigo de extinção ou não?

Neste momento podemos contar com pouco mais de uma centena de animais, se considerarmos que por volta de 1940 foram recenseados 1103 burros versos 55 cavalos na ilha, apercebemo-nos da importância que estes tinham e como foram desaparecendo. A sua perda seria dramática, pois para além de se perder um recurso genético, perder-se-ia também um património cultural de grande valor.

O Burro da Graciosa pode ter algum tipo de aproveitamento para a actividade da moda que é o turismo?

Sem dúvida. Durante muito tempo o Burro da Graciosa teve um enorme valor e utilidade nos trabalhos agrícolas e no transporte. Actualmente a sua utilidade nestas diminuiu e urge encontrar outras utilizações para os sustentar, como por exemplo: comercialização no mercado para um produto de alta qualidade (leite de burra) e toda uma gama de produtos de alto valor acrescentado; turismo de lazer, uma vez que o burro, pelo seu carácter afável, carinhoso e humilde, é susceptível de poder ser utilizado em actividades tais como o turismo equestre, excursões e passeios. Além disso, a sua presença faz com que qualquer paisagem que nos rodeie nos pareça mais pitoresca, mais natural, mais sadia. Para além de ser considerado em muitos países europeus como animal de estimação.

O Burro da Graciosa ainda pode ser aproveitado com vantagens para as actividades económicas a que esteve associado ao longo da sua história na ilha?

Pensamos que sim. O burro foi das espécies pecuárias aquela que melhor se adaptou às características da ilha. Estes burros encontram-se geralmente associados às pequenas propriedades e aos terrenos de difícil acesso e em particular à cultura das hortas. A razão para a sua associação com a cultura das hortas, em especial da batata, deve-se ao facto do asinino ser mais leve que as restantes espécies de trabalho, exercendo menor compactação sobre o solo.

 

Fonte: Correio dos Açores

http://www.correiodosacores.info/index.php/destaques-esquerda/15019-burro-da-graciosa-pode-ser-aproveitado-para-a-actividade-do-turismo-acoriano

Recomendar este sítio a um amigo Copyright © Via Oceânica 2008 - Todos os direitos reservados