É necessário a instalação do Flash Player para conseguir visualizar correctamente esta página.
Clique aqui para mais informação.

Notícias

Edição dos

Domingo, dia 17 de Abril de 2016

Todos os sonetos escritos por Antero de Quental voltam a estar reunidos em livro, a apresentar segunda-feira, em Ponta Delgada, Açores, para homenagear o "poeta das ideias", no dia em que faria 174 anos.

"Este livro recupera a edição de 1886, que o poeta preparou", afirmou à agência Lusa a investigadora Ana Maria Almeida Martins, especialista na obra do "poeta das ideias", autora do prefácio destes "Sonetos Completos de Antero de Quental", que organizou à imagem da recolha original.

A publicação do livro é uma iniciativa da Câmara de Ponta Delgada, com a Livraria Solmar Artes & Letras, para assinalar o nascimento, a vida e a obra de um dos "Vencidos da Vida", organizador das Conferências Democráticas do Casino Lisbonense, que a investigação define como um dos maiores poetas e pensadores portugueses.

Antero de Quental nasceu em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, Açores, a 18 de abril de 1842, cidade onde morreu a 11 de setembro de 1891.

Ana Maria Almeida Martins, que primeiro se encantou pela história pessoal e depois pela obra do poeta, considera que Antero de Quental tem de ser recordado pela sua obra literária e é preciso lê-lo mais, para se compreender a sua genialidade, dado que grande parte dos portugueses "não sabe nada dele".

"Não é só São Miguel, é o país que não tem a noção do génio que há em Antero de Quental", considerou a especialista, alegando que estamos perante um "político, um filósofo, um pensador e um grande poeta, que deveria ser mais estudado no ensino secundário, começando por poemas mais acessíveis".

Ana Maria Almeida Martins, que tem dedicado a sua carreira académica a estudar e divulgar a obra do poeta e pensador micaelense, reconheceu que a poesia de Antero é "difícil", por ser uma "poesia de ideias filosóficas e políticas, algo que nunca tinha acontecido antes na sua época".

"Ele põe a política na poesia quando faz as `Odes Modernas`, que é um livro um pouco datado, mas que tem de ser lido no contexto da época em que apareceu, e é realmente uma pedrada no `charco` dos passarinhos, `florzinhas` e dos olhos castanhos", referiu a investigadora, classificando de "extraordinário" que um jovem de 23 anos, "que chega de uma ilha remota, a Coimbra, tenha feito poemas às ideias".

Segundo Ana Maria Almeida Martins, a obra agora editada deveria estar "à mesa-de-cabeceira" de todas as pessoas.

No prefácio, a investigadora faz a história dos sonetos, dos percalços e das condições, "muitas vezes adversas", em que foram escritos.

A autora adiantou, também, que houve uma edição dos sonetos de Antero de Quental, da autoria de António Sérgio, e pela qual estudaram muitas gerações, mas que "nada tem a ver com a edição preparada pelo poeta em vida", e que contou com duas edições, publicadas por outro "vencido da vida", o historiador Joaquim Pedro de Oliveira Martins.

A segunda edição, de 1890, inclui um apêndice com traduções de sonetos, em alemão, francês, italiano e espanhol.

"Antero de Quental foi muito traduzido, pois era muito conhecido na Europa. Foi o mesmo tradutor, de português para alemão, de Camões, que traduziu os poemas de Antero, o que o envaidecia", confidenciou à agência Lusa Ana Maria Almeida Martins, que, sempre que se desloca a Ponta Delgada, faz questão de colocar flores no busto de Antero de Quental, num jardim da cidade com o nome do poeta.

A investigadora conta lançar um novo livro, ainda este ano, no qual reunirá "tudo o que Eduardo Lourenço escreveu sobre Antero de Quental", um "encontro de génios", que será editado no âmbito da obra completa do professor e filósofo português, organizada pela Universidade de Évora, com a Fundação Calouste Gulbenkian.

Ana Maria de Almeida Martins, que publicou uma primeira seleção de sonetos do escritor em 1996, é igualmente responsável por edições de correspondência e pela recolha de artigos do escritor na revista "Occidental" ("Contracapas") e no jornal "O Século XIX" ("O bacharel José").

Organizou ainda a "Fotobiografia" e a monografia dedicada ao autor de "Odes modernas", da Biblioteca Nacional ("Antero de Quental: 1842-1891"), entre outros títulos.

Estudos da investigadora encontram-se refletidos em obras como "A década dourada de Vila do Conde, 1881-1891", "Antero de Quental e a viagem à América: remando contra a maré" e "O essencial sobre Antero de Quental".

O lançamento da nova edição dos "Sonetos Completos" realiza-se segunda-feira, nos Paços do Concelho de Ponta Delgada, a partir das 17:00, sem a presença da autora, por motivos de saúde.

 

Fonte: RTP

http://www.rtp.pt/noticias/cultura/edicao-dos-sonetos-completos-de-antero-de-quental-no-aniversario-do-poeta-das-ideias_n911983




Quiosques de Turismo




Recomendar este sítio a um amigo Copyright © Via Oceânica 2008 - Todos os direitos reservados