É necessário a instalação do Flash Player para conseguir visualizar correctamente esta página.
Clique aqui para mais informação.

Notícias

Projecto Apresentado em Angra Cultura Açoriana com espaço próprio no Brasil

Sexta-Feira, dia 14 de Outubro de 2011

Preservar o património cultural açoriano no Estado de Santa Catarina, promovendo ao mesmo tempo uma imagem moderna e contemporânea do Arquipélago no Brasil são os aspectos chave do Centro de Cultura Açoriana, a construir em Florianópolis, cujo projecto preliminar foi ontem apresentado publicamente em Angra do Heroísmo.

Uma iniciativa da Direcção Regional das Comunidades, a cerimónia realizada na Biblioteca Pública e Arquivo Regional contou com a presença de Maria Graça Castanho, directora regional, Celso Sandrini, vereador e mentor do Centro e Joel Pacheco, arquitecto, autor do projecto preliminar.

Numa iniciativa que se vai repetir nos próximos dias no Faial e em S. Miguel, os responsáveis brasileiros procuram recolher sugestões para o projecto, a implementar na zona sul da Ilha de Santa Catarina, numa área de construção de 1800m2, uma obra que terá financiamento parcial do Governo Federal brasileiro, ainda sem data para inauguração, prevendo-se, no entanto, que no final de 2012 estejam concluídas algumas das valências do Centro.

O esboço preliminar contempla a construção de um museu, que albergará exposições permanentes e temporárias centradas na saga da emigração açoriana em Santa Catarina, um pavilhão “boi de mamão” com um palco e ateliers, um pavilhão de renda e artesanato, um espaço dedicado à história da pesca artesanal e caça à baleia, um restaurante regional e uma praça açoriana com pedra portuguesa representando as nove ilhas dos Açores e a ilha de Santa Catarina.

Maria Graça Castanho enalteceu “a força e vida” da comunidade açoriana em Santa Catarina, destacando o grande conhecimento que descendestes “de 10º ou 11º geração” tem do Arquipélago.

A directora regional explicou que o Governo Regional vai participar no Centro de Cultura Açoriana através de apoio cientifico para o museu e na sua divulgação junto das comunidades açorianas no Brasil e na restante diáspora, defendendo que esta é uma iniciativa “importante para o roteiro que queremos construir sobre a presença açoriana nas diferentes partes do mundo”.

Celso Sandrini, o “pai” do Centro, destacou o papel da comunidade açoriana e seus descendentes – que segundo dados referidos na conferência representa cerca de 20% da população de Santa Catarina – na cultura daquele estado do Brasil, defendendo a importância de preservar esse legado histórico e ao mesmo tempo intensificar o intercâmbio entre as duas regiões a virados níveis, do económico ao social, dando a conhecer aos catarinenses aquilo que são os Açores modernos.

O vereador de Florianópolis, acrescentou que as autoridades integradas neste projecto pretendem que o Centro de Cultura Açorina seja um espaço de utilização permanente, não apenas de preservação da memória da emigração dos Açores, mas também um veículo de divulgação de cultura e um local de aprendizagem para os mais novos, defendendo por isso o estabelecimento de parcerias com entidades do Arquipélago que potenciem o estudo da cultura açoriana no Brasil.

Por seu lado o arquitecto Joel Pacheco defendeu que este será um Centro que terá uma arquitectura contemporânea, baseado no modelo de construção “de porta e janela típica das casas desta comunidade no Brasil” e apostando em referências visuais da cultura dos Açores como as rendas ou a coroa do Espírito Santo, que atraiam a atenção do público mais jovem que visite aquele espaço, localizado num parque natural entre o mar e a Lagoa de Peri.

Fonte: A Uniao, 14-10-2011

http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=25615 




Quiosques de Turismo